OSHENGRAH

A nova consciência

Mestres - Mensagens 2000, 2001

Stacks Image 3244

Barreiro, 19/04/2000, 23:00h
 
 Preceitos...
 Amados Irmãos,
Muitas são as Sementes da Luz que vos têm sido entregues, em vários pontos, em diversos meios, não temos poupado esforços para canalizarmos até vós as instruções que Vos podem fazer brotar as asas cósmicas do Anjo adormecido que há em todos vós.
As Ordens que tendes são:
Preparai-vos,
Vigiai constantemente,
Difundi o Amor,
Praticai a Sabedoria,
Sede simples e humildes,
Respeitai toda a vida, todas as criaturas,
Usai da Compaixão e da Misericórdia,
Propagai entre vós a modéstia e a simplicidade dos costumes,
Amai-vos, verdadeiramente, uns aos outros,
Difundi entre vós e ao vosso redor as sementes do companheirismo. 
Estes são os preceitos para poderdes ser considerados entre os Puros de Coração, aqueles que serão Resgatados, ‘embarcados ao Serviço do Senhor’.
Que a Paz ancore fundo em todos os seres!  

Kooth-Hoomi Lal Singh
Chefe dos Kuthum-pas, Senhor da Hierarquia Kuthulli
Através de Carlos Carvalho
----------------------------------------------------------------------------------------------
Barreiro, 26/04/2000

A Jornada Espiritual

Quando um discípulo começa a via do Budismo ou outra, ele se interroga com muitas dúvidas.
Algumas dessas dúvidas as apresentamos:
A Minha Meditação será correcta?
Será que algum dia vou progredir?
Jamais atingirei o nível do Meu Mestre Espiritual.
Dividido entre a esperança e o receio, nunca tem o espírito em paz.
Consoante o  estado de espírito, um dia pratica-se e no seguinte não se faz absolutamente nada.
Assim é o ser humano. Apega-se às experiências agradáveis que surgem no seio da serenidade mental e apetece-lhe abandonar quando não consegue abrandar o fluxo do pensamento.
Não é assim que se deve praticar.
Qualquer que seja o estado de espírito deve obrigar-se a praticar diariamente, com regularidade, um dia atrás do outro, para adquirir disciplina e treinamento, observando o movimento dos pensamentos e remontando até à sua origem.
Não vale a pena pensardes que logo de início não sois capazes de manter a continuidade da vossa concentração dia e noite.
Quando se começa a meditar sobre a natureza do espírito é preferível fazer curtas sessões de meditação várias vezes ao dia.
Com persistência, ireis progressivamente cingindo a natureza do vosso espírito e esta realização vai se tornando cada vez mais estável.
Neste nível, os pensamentos deixam de ter a capacidade de vos perturbar e de vos subjugar.

A vacuidade, a natureza última do Dharmakaya, o Corpo Absoluto, não é um mero vácuo. Possui em si a faculdade de conhecer todos os fenómenos. Esta faculdade é o aspecto luminoso ou cognitivo do Dharmakaya cuja expressão é espontânea. O Dharmakaya não é um resultado de causas e condições, mas sim a natureza original do espírito.
O reconhecimento desta natureza primordial assemelha-se ao nascer do sol do conhecimento na noite da ignorância: as trevas dissipam-se instantaneamente. A claridade do Dharmakaya não cresce nem decresce como a claridade da Lua, antes é como a luz invariável que reina no interior do Sol.

Quando as nuvens se acumulam a natureza do céu não se deteriora, nem melhora quando elas desaparecem. Nem mais nem menos vasto, o céu não sofre alteração. O mesmo se passa com a natureza do espírito: não se altera quando surgem pensamentos, nem se aperfeiçoa quando eles desaparecem.

A natureza do espírito é vacuidade. A Sua expressão é luminosidade. Estes dois aspectos são unos em essência, simples imagens destinadas a indicar as várias modalidades do espírito. É inútil apegar-se à noção de vacuidade ou de luminosidade, como se se tratassem de duas entidades distintas. A natureza absoluta do espírito está para além de qualquer conceito, definição ou fragmentação.

‘Podia caminhar sobre as nuvens!’ – pensa uma criança. Mas se chegasse às nuvens não encontrava onde pousar o pé. Do mesmo modo, se não analisais os pensamentos, eles apresentam uma solidez aparente, mas quando os examinais, não encontrais nada.

É o que se chama ser simultaneamente vazio e aparente. A vacuidade do espírito não é nem um vácuo nem um estado de torpor, pois possui por natureza uma faculdade luminosa de conhecimento a que se chama de Iluminação ou Consciência Desperta.

Estes dois aspectos, Vacuidade e Iluminação, não podem ser separados e são unos em essência, como a superfície de um espelho e a imagem que nele se reflecte.

Os pensamentos manifestam-se no seio da vacuidade como um rosto aparece e desaparece num espelho: o rosto nunca existiu no espelho, nem deixa realmente de existir quando cessa de se reflectir nele. Quanto ao espelho, ele nunca sofreu qualquer alteração.

Assim, antes de entrardes na via espiritual, estais no estado dito ‘impuro’ do Samsara, o qual é aparentemente regido pela ignorância. Quando penetrais na Via, passais por uma fase em que a ignorância e o conhecimento se confundem.

Por fim, quando atingir a Iluminação, apenas subsiste o puro Conhecimento. 

Ao longo desta jornada espiritual, no entanto, se bem que aparentemente se produziu uma transformação, a natureza do espírito não mudou: não estava deteriorada no início da via e não é melhorada com a realização.
As qualidades infindas e inefáveis do conhecimento primordial – o verdadeiro Nirvana – são inerentes ao nosso Espírito. Não é necessário criá-las ou forjar algo de inédito. A realização espiritual apenas se revela ao longo da purificação que é a via.

Finalmente, consideradas de um ponto de vista absoluto, também estas qualidades são apenas vacuidade. Assim, o Samsara é vacuidade, o Nirvana é vacuidade e, por conseguinte, nem um é ‘mau’ nem o outro é ‘bom’.

Aquele que realizou a natureza do espírito liberta-se do impulso de rejeitar o Samsara e de querer obter o Nirvana: é como uma criança de tenra idade contemplando o mundo com uma inocente simplicidade, sem conceitos de beleza ou de fealdade, de bem ou de mal.

As tendências conflituosas, frutos de desejos e aversões, deixam de o atormentar. É inútil inquietar-se com as reviravoltas da vida quotidiana, como uma criança que se deleita a construir castelos de areia e chora quando ele se desfaz. Vejam como os seres pueris mergulham nas dificuldades, como borboletas arremessando-se contra a chama de uma vela, para possuírem o objecto do seu desejo ou se livrarem do que detestam. Mais vale pousarem o fardo desses apegos quiméricos que carregam!

O estado de Buddha contêm em si Cinco Corpos ou aspectos de Budeidade: 
O Corpo de Manifestação;
O Corpo de Perfeita Fruição;
O Corpo Absoluto;
O Corpo Essencial e
O Imutável Corpo Adamantino

 Não os busquem no exterior: eles são inseparáveis do nosso ser, do nosso espírito. Assim que se reconhece Esta Presença acaba-se a confusão, já não é preciso buscar a Iluminação no exterior.

O navegador que aportou a uma ilha toda em ouro puro e fino, mesmo que procure, não encontra uma só pedra vulgar. É necessário realizar todas as qualidades do Buddha que são, desde sempre, inerentes ao nosso Ser.
 
Kyabje Dilgo Khyentse Rinpoche[1] e Djwal Kul
[1] Sua Santidade tem um stupa que Lhe é dedicado, no Mosteiro de Shechen, em Bodh Gaya. Representado vivo pelo jovem Tulku que o encarna.
Através de Carlos Carvalho
----------------------------------------------------------------------------------------------

Barreiro, 28/04/2000, 22:50h

Descobrir a natureza do Espírito

É de toda a importância que cada um se volte para os valores do Espírito e deixe as falsas luzes do brilho enganador do materialismo.
Devido a aqui no Ocidente haverdes encontrado com as vossas filosofias e modos de vida  maneira de melhor matardes o Espírito, tornastes-vos materialistas e cegos e acreditais nas conquistas da vossa ciência e nos valores alcançados pelas equipas de investigação dos vossos laboratórios. Assim sendo, categoricamente, rejeitais o Espírito.

Não há dúvida que reconhecemos que os Ocidentais atingiram um nível técnico surpreendentemente avançado. Fabricam máquinas que lhes permitem a deslocação pelos ares a grande velocidade.

Já se projectam no Espaço e foram à Lua.
Exploram a profundeza dos mares.
Têm tecnologia para verem mesmo tudo o que se passa no mundo inteiro e fora do planeta.

Porém, apesar de tantas conquistas, desconhecem o mais importante de tudo – a essência do Homem, o Espírito, que é o cerne de todas as Tradições.

O Espírito que está tão perto de todos nós, permanece uma realidade impenetrável; não compreendeis, bem como a grande maioria dos seres humanos, a essência do vosso próprio Espírito!

Esta situação é verdadeiramente paradoxal.

Por um lado, com tecnologia bastante avançada, possuiu-se telescópios muito especiais para ver o que se passa a anos-luz daqui, bem como microscópios potentíssimos, capazes de distinguir os estados atómicos da matéria. Porém, o Espírito, a parte mais íntima do nosso Ser, a mais fundamental, é também a que permanece mais invisível, inacessível e desconhecida!

O desenvolvimento da ciência e o domínio das condições materiais trouxe um nível exterior de conforto e de felicidade muito elevados.

Sem dúvida que isso é excelente! Todavia, esses progressos científicos e tecnológicos não impedem que o Espírito permaneça no desconhecimento de si próprio e por isso condicionado e atormentado de inúmeras maneiras pelo sofrimento, frustração e angústia.

Para remediar esses males, deveis de descobrir e compreender a natureza essencial do Espírito.
 
 Kyabje Kalu Rinpoche[1]

[1] Kalu Rinpoche, viveu de 1904-1989, nasceu no Tibete Oriental e foi reconhecido como a reencarnação de Jamgön Kongtrul. A sua reencarnação nasceu a 17 de Setembro de 1990, na Índia.
Através de Carlos Carvalho
--------------------------------------------------------------------------------
 

Barreiro, 24/04/2000, 24:00h
 
 Perseverar ante as Dificuldades
 
No momento cósmico por que estais passando, a unificação é a tónica que tendes de buscar, para que o Equilíbrio possa estar presente em Vós.

Derramamos esforços abundantes para que o Homem encontre o Seu Caminho Cósmico e nunca perdemos a esperança de ver em toda a Terra um Só Nação, um só Povo – o Povo de Deus.

Sempre que pensais em algo positivo e inovador, logo se vos deparam as dificuldades para a concretização e, muitas vezes, desmoralizais e desistis do vosso plano.

Sabei que tal atitude é a menos correcta. As dificuldades e obstáculos encontrados devem ser, antes do mais, estímulos para amadurecerdes os vossos planos positivos.

Estando a Terra sufocada pela onda de negatividade que a atingiu, todos os focos de positividade para o Progresso, o Bem-Estar, a Paz e a Unificação dos Povos deste Planeta, são bem-vindos.

As mentes que são tocadas por tal tipo de pensamentos são afinizadas com a tónica da Era, pela vibração Cósmica actuante – a Mente do Pai que em determinado momento determina o que é melhor para os seus Filhos.
A mestria individual impõe que não vos abandoneis ao desespero e ao desânimo ante as dificuldades. Antes, porém, que amadureçais o vosso Plano, buscai a sintonia com a Mente Cósmica, a fim de que, pelo silêncio e perseverança, triunfeis sobre toda a oposição e chegueis ao momento da Realização.

Da mesma forma assim procedemos e é porque acreditamos que chegareis a ser Divinos e a despertar para os valores mais altos do Espírito, que vos servimos por séculos e milénios, guardando a Chama, para que chegasse o momento dela se expandir.

A vossa maturidade começa agora. Deste momento cósmico sairão da Terra os novos portadores da Luz, Aqueles que virão a ser admitidos no Conclave da Iluminação e que nos poderão substituir no Serviço de Iluminação do Planeta.

É por isso que este momento é especial e determinante.

De todas as grandes revoluções que se operaram, espera-se agora a maior de todas. A revolução que o Homem fará ao encontrar os seus valores Divinos e ao ter de abdicar de todas as luzes enganadoras da matéria, pela Luz esplendorosa do Espírito.

Bem-vindos ao vosso Alvorecer! Bem-vindos ao Mundo da Luz e da Vida Eterna!
 
SAINT GERMAIN
Senhor da Era de Aquário e Chefe da Hierarquia ANTUAK em acção sobre a Terra
Através de Carlos Carvalho

 -------------------------------------------------------------------------------


 BARREIRO, 25/03/2001

Que a Paz profunda ancore no Coração dos Homens!

Que a luz sublime ilumine os passos dos que estão em peregrinação neste lugar Sagrado!

Que o Véu da Ilusão se rompa ante os Filhos dos Homens e eles vejam a Realidade Sublime da Manifestação, Unicidade de Deus-Não-Manifesto!
Que a Mente Inferior se aquiete e se submeta ao Projecto Divino.!

Que o Lótus floresça no Homem, para que ele entre em união com o Cosmos e descubra os Seus Irmãos que de há muito esperam o dia da União!
Que ele integre a Força e se Unifique com o Uno para agir aqui e agora como Uma Projecção da Mentem de Deus!

Que a Vontade do Homem seja a Vontade de Deus!

Que a compaixão liberte todo o sofrimento e dor e transforme tudo em Felicidade e Bem-aventurança!

Que a Luz se expanda em todos os Reinos!

Que a Verdade  brilhe esplendorosa sobre a Terra!

Que o Leão, a Águia e a Serpente se unam na sincronicidade e no heroísmo dos que se venceram a si próprios!

Que a rectidão e a Realeza do Ceptro Sagrado (Dorje) sele a senda Admantina (VAJRA) da Verdade sobre todos os Mundos!

Que a Luz seja o Sol reflectido pelas nossas Mentes! 
 
Sidartha Gautama (Shakyamuni)
Através de Carlos Carvalho
 -------------------------------------------------------------------------------

BARREIRO, 22/03/2001; 22:53h

O Senhor vem.

A vontade de Deus é que a Terra seja redimida, povoada por seres felizes e religados, exteriorizando a sua Chama Divina.

A Terra e a humanidade em evolução devem muito aos Seres Cósmicos, os Grandes Creadores de Mundos, que vieram desde os começos colaborar no Plano Divino para este orbe sagrado.

Este mundo foi projectado na Mente Cósmica pelos Arquitectos e Engenheiros Siderais do Universo Insular Local de Nebadon, aquando do chamado de MIKAH.

Assim o Comando Central de KOLOBB avançou ainda antes da confederação dos Mundos estar constituída. 

A primeira Confederação ou KOLOBB projectou-se a partir da União entre Pégasus, Orion, Aldebaran e Sirius.

Aqui, de Sirius, os Grandes creadores Alpha e Ómega, projectaram o Sistema Solar e tudo foi creado apenas no mundo dos Arquétipos.

Depois os Grandes seres Helius e Vesta formaram o Sol e os planetas da Primeira ronda.

Entraram depois em acção os Seres Cósmicos Hércules e Amazona para a difusão da Vida.

A Confederação teve depois a entrada do mundo que conheceis como Terra, o planeta Gea, que foi chamado de Urantia pela Confederação e teve como Seus Tutores os seres Cósmicos Arcturus e Diana, que muito contribuíram para a vinda posterior das Humanidades.

Na Segunda Ronda, entraram para a Confederação os Creadores chefiados por KUMARA, SHTAREER, HERCULES e toda a frota da Confederação com as naves orgânicas e a Estrela da Vida.

Alarga-se à Confederação os Pleiadianos, Prócion, Virgo, Touro e Cassiopeia.

Na Terceira Ronda surge o conflito Morganiano. Os Centaureanos avançam como intrusos e mais tarde são integrados. Surgem os Vulcanianos e os Centaureanose aliam-se aos Plutonianos.

Estala a Rebelião de Lúcifer ou Kassiel.
Dão-se vários conflitos e guerras galáticas.
Desaparece MALDEK e surge Mercúrio.
A Terra como EDENIA, sai da órbita e ocupa o lugar de Vénus hoje.
Antares, entra na Confederação.

Na Quarta Ronda, chegam à Terra de Virgo, as Sementes Puras dos Arquétipos para formar a Humanidade, acompanhados por MIKAEL.
Mais tarde chegam as emanações Divinas oriundas da Constelação do Cocheiro, de Capella.

Depois de grandes cataclismos, a Terra é desorbitada de novo e ocupa o lugar que hoje tem no sistema solar.

Plutão é fixado onde se encontra hoje e Vénus vai posicionar-se onde está. 
A Tutela das Quatro raças é dada a Alfa Centauro, Orion, Pleiades e Prócion.

Mais tarde esta tutela é passada directamente para as humanidades Maiores, Vénus, Marte, Júpiter e Saturno, que ainda hoje a mantêm.
No presente momento as Humanidades de Mercúrio estão também a Tutelar a Nova Humanidade, conjuntamente com Vénus.
Todos estes Seres têm a Chama Sagrada da Vida eterna e são transmissores dessa mesma Vida. São os ELOHIM. Eles são a Chispa de Deus, a Chama da vida. Essa Chama deve um dia brotar em vós, do vosso Terceiro Olho.

Quando a Humanidade de Virgo, os Espíritos Virginais vieram para a Terra, foi antes da rebelião de Lúcifer.

Depois da Rebelião, a estrutura da Terra mudou e a Humanidade caiu.

KASSIEL (1) estava com um terço dos Anjos do Céu do seu lado.

Arrastou na sua queda, a terça parte das estrelas do Céu, ou, melhor dizendo, grandes Luminares.

Todos eles foram considerados Anjos caídos, destituídos dos seus poderes e obrigados a encarnar nos mundos carne sob a aceitação da proposta de LÚCIFER.

A humanidade da Terra é uma parte desses anjos caídos.

Por isso, antes de ADAM, os pais das Raças, desceram ao mundo Terra, Deus ou os Elohim, fizeram para eles "túnicas de pele", corpos físicos mortais.

Assim, sob o Comando dos Filhos de Orion, constitui-se a Hierarquia dos Filhos da Luz que, por séculos guardaram a Luz e a evolução sobre a Terra.

Sempre que a Luz declina, as trevas dominam e o Caos se estabelece, o Senhor, projectado pelos Vigilantes da Luz, vem de novo à Terra e faz-se carne, para ensinar o Caminho da Virtude.

Este é o Mistério da Encarnação Divina ou AVATARISMO.
Hoje, em todo o planeta, o peso das Trevas faz-se sentir.

A fuga à moral, a usurpação dos direitos à vida e à Liberdade são constantes.
O caos e a anarquia vai-se instalando. A apreciação dos actos violentos, o culto do deboche e o louvor à imoralidade serão constantes no vosso dia a dia.

Por isso, sempre que essa falta de valores, está presente, é certo que a vinda do Senhor está para breve.
Ele vai vir e vai estabelecer a ordem.

Portugal é um território sagrado, mas tem ele também declinado e o seu povo está passando pela fase das trevas.

Aí se irá manifestar o Senhor, antes da Sua Grande Manifestação noutras partes.

Vigiai e preparai os caminhos.
A hora é chegada.
A vontade de Deus é a iluminação e a restauração da Verdade.
 
AMHAJ (2)
Através de Carlos Carvalho
(1) Também chamado de KASBEL
(2) Nome por que é conhecido actualmente MORYA